O leite, o queijo e a Serra

Paris 6
Paris 6 é inaugurado em Brasília
8 de agosto de 2017
Winerun 2017
Winerun 2017 acontece em novembro em BSB
10 de agosto de 2017

O leite, o queijo e a Serra

O leite, o queijo e a Serra: três paixões do chef Emerson Mantovani |Foto: Pixabay

O leite, o queijo e a Serra: três paixões do chef Emerson Mantovani |Foto: Pixabay

» Quando o leite sai do seu habitat natural, da vaca, claro, percebemos que ele é um elemento fundamental na preparação de inúmeros alimentos. E o queijo é só um deles. Aí você vai ler isso e vai rir, cair na gargalhada. Ficou maluco, só um deles????

Eu também. Até porque, se depender de mim, abro um restaurante que  terá queijo em todos os pratos, da entrada a sobremesa, sem exceção. Não haverá um prato na ementa sem o queijo.

Não faço ideia de quantos tipos diferentes de queijos existem hoje no mundo e nem me atrevo a procurar, pelo simples fato de querer provar todos e não vou conseguir…. Vou ficar macambúzio e sorumbático… (P.S. Aprendi estas palavras com meu professor de português Raul e não esqueci mais, onde estiver, o meu obrigado).

Daí, compro um queijo da serra da estrela DOP e começo a comer e chego à conclusão; é dos deuses, sem dúvida, a Serra da Estrela está em um local abençoado e quem produz este queijo não é somente um humano, tem laços com o divino.

 Se depender de mim, abro um restaurante que  terá queijo em todos os pratos, da entrada a sobremesa, sem exceção. Não haverá um prato na ementa sem o queijo.

Emerson Mantovani

Como que leite, sal e cardo, isso mesmo, 3 coisinhas destas produzem um queijo tão bom??? Um detalhe significante, o leite é de ovelha. Eu acabei ficando fã de queijo de ovelha e o português sabe como ninguém fazer queijos deste tipo. Começam as diferenças interessantes, cardo é uma planta que tem poder coagulante, isso que faz o queijo coagular.

Basicamente existem dois tipos, o Serra da Estrela e o Serra da Estrela Velho, não sou, ainda, profundo conhecedor de todas as possibilidades, sei que existem muitos produtores, diferentes graus de cura e com isso sabores e aromas diferenciados.

Nem todos os produtores podem utilizar a denominação de origem protegida DOP, esta é estipulada para algumas e mais nobres regiões, que devem produzir o queijo segundo rígidas normas, incluindo somente duas raças, a Bordaleira da Serra da Estrela e a Churra Mondegueira.

Para nós, leigos no assunto, o que vale é o produto final e assim vamos ter queijos curados e queijos amanteigados. Eu gosto dos dois, depende do momento e também do vinho que vamos beber, curados com sabores mais picantes, amanteigados com sabores mais leves, ligeiramente acidulados.

Vou em breve visitar produtores para conhecer mais sobre o processo e os tipos de queijo, assim que acontecer conto para vocês.

Pesando em harmonizar o queijo da Serra da Estrela com vinhos portugueses? Vamos lá, é um queijo potente, com vasta gordura, portanto precisa de vinhos que tenham estrutura para acompanhar isso e os sabores da proteína do queijo, como sugestão vinhos do porto tawny, 10, 20 ou 30 anos…quanto mais velho melhor ou brancos que tenham volume de boca, normalmente brancos envelhecidos como os da Bairrada. Não quer seguir estas dicas harmonize com o que você gosta!!!

 

Abraços!!!

 

O leite, o queijo e a Serra
Avalie esse conteúdo

PUBLICIDADE

Emerson Mantovani
Emerson Mantovani
Chef especializado em cozinha autoral, radicado em Portugal, e que foi responsável por projetos inovadores como o Trio Gastronomia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *