Em 5 anos, alimentos tiveram 17,2 t a menos de sal

Dia dos pais
Dia dos pais: uma data para aproveitar
11 de agosto de 2017
Rota da Cerveja é uma das atrações de que visita a cidade de Pinhas, no Paraná |Foto: divulgação
Pinhas, no Paraná, ganha Rota da Cerveja
23 de agosto de 2017

Em 5 anos, alimentos tiveram 17,2 t a menos de sal

Redução de sal nos alimentos tem aumentado nos últimos anos |Foto: Pixabay

Redução de sal nos alimentos tem aumentado nos últimos anos |Foto: Pixabay

» Nos últimos cinco anos, os alimentos processados consumidos no Brasil tiveram uma redução de 17,2 mil toneladas de sal, segundo balanço divulgado pelo Ministério da Saúde. Os dados são desde 2011, quando o governo fechou um acordo com a  Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (Abia) para diminuir o sódio nos produtos alimentícios.

A meta é que a indústria promova a retirada voluntária de 28.562 toneladas de sal das prateleiras até 2020. Para isso, é preciso que  em três anos sejam reduzidas mais 11,3 mil toneladas de sal. Desde 2013, houve uma queda de mais 2.361 mil toneladas de sal desde 2013. Nessa fase, foram analisados rótulos de 718 produtos como linguiças, sopas instantâneas, mortadela, queijo muçarela e empanados.

Saiba mais
Alimentação errada: que dor de cabeça!

O maior percentual de redução foi observado nas sopas, que reduziram, em média, 65,15% de sódio por cada 100g de produto. Nas sopas instantâneas, a redução média observada foi de 49,14% por 100g. No queijo muçarela o percentual foi de 23,15%; no requeijão, 20,47%. Na outra ponta, a menor redução média percentual foi nos empanados, 5,7%.

“Estamos acompanhando o esforço voluntário da indústria, temos que entender que isso é uma parceria entre governo e indústria e a motivação é dada pelo próprio consumidor. Considero que estamos cumprindo a nossa meta e vamos fazer um grande esforço para alcançá-la”, afirmou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Sal
Segundo o ministério da Saúde, os brasileiros consomem atualmente 12 gramas de sódio por dia, mais que o dobro do máximo sugerido pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que é 5 gramas. O consumo de sal em excesso pode levar a doenças crônicas como hipertensão, diabetes e obesidade. Essas doenças, junto com doenças cardiovasculares, respiratórias e câncer respondem por 72% dos óbitos no país.

 

Em 5 anos, alimentos tiveram 17,2 t a menos de sal
Avalie esse conteúdo

PUBLICIDADE

Redação
Redação
E-mail: redacao@aperitivado.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *